A gestão logística do atacado e atacarejo em uma só ferramenta. É possível?

Vender em larga escala é uma atividade repleta de desafios e a maioria deles depende do controle que o atacadista tem da organização de estoque. Dar fluxo às entradas e saídas de produtos do armazém precisa ser um processo orgânico, que rode com naturalidade. Mas, você sabe o que é necessário para alcançar essa sinergia em supply chain?

Não importa se a sua distribuição está focada na importação, na exportação, no comércio local ou regional ou até em todas essas possibilidades juntas. É sempre crucial que a sua empresa conte com as ferramentas certas para se posicionar no mercado como uma marca confiável.

Vender o que não se tem significa perda de clientes. Ficar com mercadorias paradas leva à falta de liquidez. Diante dessas limitações, a venda em atacado precisa contar com processos de armazenamento e distribuição muito bem ajustados. E isso se torna ainda mais complexo quando escolhidas formas híbridas de atuação, como o atacarejo.

Quem compra em larga escala busca além da quantidade, principalmente, um preço baixo. Por isso, manter alta e justa a margem de lucro é um desafio que não está vinculado somente à venda, mas à gestão logística que a comercialização implica.

É possível ajustar processos de armazenamento ou distribuição em uma só ferramenta. Basta que os desafios da sua empresa comecem a ser revistos e a busca por uma solução completa passe a ser prioridade.

Se você ainda não se convenceu, continue a leitura e descubra como o atacado e o atacarejo podem se posicionar de modo eficiente na cadeia de suprimentos.

 

#DESAFIOS DAS VENDAS EM GRANDE ESCALA E A TECNOLOGIA

Seja na lógica de distribuição do atacado ou do atacarejo, o seu armazém sempre recebe em grande escala. Altas quantidades exigem que o espaço seja não somente grande, mas bem aproveitado para enfrentar as sazonalidades que são comuns em supply chain.

Nenhum atacadista de sucesso pensa a capacidade do armazém tendo como referência as vésperas de fim de ano ou feriados!

Conhecer o fluxo de mercadorias por período, projetar o crescimento anual e lidar com as recessões é impossível sem uma ferramenta de gestão logística completa e robusta. Hoje, os sistemas WMS podem, sim, contar com um analytics próprio, que gere dados a favor da gestão do negócio.

Lidar com sazonalidades e formas híbridas de comercialização torna a sua operação mais complexa. O que acaba simplificando e trazendo flexibilidade para as decisões da empresa é o uso de uma tecnologia robusta, que permite alta performance e a adaptação de processos.



#O FUTURO NOS PROCESSOS HÍBRIDOS DE VENDA

Unir o conceito de varejo e atacado pode ser um grande problema para a gestão logística se o WMS não for adaptável a essa mudança. A busca pelo meio termo, ou seja, pelo atacarejo, é uma resposta à crise – seja para o atacadista ou para o varejista.

A escolha de um WMS deve considerar uma possível mudança nas estratégias de comercialização que impactam diretamente a gestão logística. Há sistemas no mercado que não dão suporte nem à decisão de mudar as operações, fornecendo informação estratégica, nem à adaptação dos fluxos dentro e fora do armazém.

Fuja dessas soluções que nada resolvem!

 

#COMPLEXIDADE EXIGE AGILIDADE

Atuar no atacado é uma atividade complexa por ser o armazém atacadista responsável pelo início da distribuição na lógica de supply chain. Há indústrias que preferem vender para grandes armazéns e distribuidoras que deem conta da vazão de itens para o mercado. Para elas, isso é melhor do que colocar o produto por conta própria nas prateleiras varejistas.

Mas, se o atacado recebe demandas diretas, o atacadista precisa considerar essas oportunidades e proporcionar agilidade na chegada do produto à ponta – ou perderá espaço na rede de supply chain. O fluxo deve ser ágil, mesmo que a sua empresa precise lidar com compras diretas e indiretas ao mesmo tempo.

Os principais desafios neste caso são as mudanças físicas do armazém e dos processos:

 

  • Ajustes no picking e na separação conforme demandas diretas ou indiretas;
  • Adaptações no controle do trânsito interno de empilhadeiras, operadores e outros;
  • Realocação de linhas de distribuição para compra em atacado separadas do atacarejo;
  • Agendamento flexível das docas, conforme modos de distribuição;
  • Gestão contratual de escopos diversificados que impactam o prazo de entrega e os trajetos de distribuição.

 

Mas, será que um sistema só consegue abarcar um cenário que só se se torna mais complexo?


SISTEMA PODEROSO PARA DECISÕES RÁPIDAS

Para dar conta de processo híbridos e garantir longevidade na gestão logística da sua empresa, é necessário um sistema robusto que ofereça possibilidades de crescimento. A sua empresa pode começar pensando na gestão do armazém e continuar aberta a mudanças em supply chain, como a tendência omnichannel.

Estas são as características que um WMS completo deve estar preparado para agregar aos seus processos:

 

  • Gestão logística completa (é o básico);
  • Organização de pátio;
  • Controle de contratos;
  • Abertura para estratégia omnichannel;
  • Gestão de mão de obra;
  • Atualizações simplificadas e de baixo impacto.

 

Com essas características à disposição, a sua empresa se adapta às tendências em supply chain, além de conseguir manter a organização de estoque para que a gestão logística seja rápida e traga retorno financeiro.

Se o fornecedor do sistema tiver qualidade reconhecida, fica ainda mais garantido o  sucesso dos processos. Conte com a Otimis para saber tudo sobre a logística de atacado.

> Deixe seu comentário

Entre em contato
+55 47 3036 7800 (SC)
+55 11 3027 4197 (SP)
+56 2 2840 5916 (CHILE)
otimis@otimis.com

Newsletter

Gostaria de receber nossas novidades no seu email?