Green Warehouse: conheça os conceitos do armazém do futuro!

A logística é uma atividade muito antiga, mas que hoje está presente nos conceitos mais modernos de gestão. Se antes ela se preocupava apenas com a estocagem, armazenamento e transporte de mercadorias pelos centros de distribuição, atualmente alia tecnologia e preocupação com o meio ambiente. O armazém do futuro será focado em tecnologia e o uso da inteligência artificial.

O supply chain utilizará as soluções de automação para promover uma logística mais ágil e eficiente, sem a necessidade de muitas interrupções humanas.

 

Quer compreender os principais conceitos da gestão logística do futuro? Acompanhe!

1|   GREEN WAREHOUSE NO ARMAZÉM DO FUTURO

O conceito também pode ser conhecido como logística verde. Ele surgiu mediante a necessidade das empresas de adequarem suas estratégias para minimizar os impactos ambientais.

Seguindo esse raciocínio, o supply chain precisará coordenar as atividades de maneira que os clientes sejam atendidos de forma eficiente, mas com o menor “custo” ao meio ambiente. Sendo assim, as companhias deverão pensar em quais materiais serão utilizados e se eles vão prejudicar o planeta caso sejam descartados, além de como reaproveitar alguns itens.

Esse conceito também tem uma preocupação com o empacotamento verde, que se caracteriza pelo menor uso possível de materiais para embalagem. Outra tendência é a utilização de itens biodegradáveis.

A carga e descarga também devem ser planejadas para reduzir os impactos ao meio ambiente. Nesse sentido, ela envolve a substituição de máquinas obsoletas por equipamentos modernos e inteligentes, que são mais eficientes, possuem menor consumo de combustíveis fósseis e reduzem a emissão de poluentes

O armazenamento adequado também favorece a proteção do meio ambiente. Para isso, é necessário criar uma infraestrutura adequada para facilitar o transporte das mercadorias. Ela deve valorizar as rotas com menor trânsito e o uso de veículos que diminuam a emissão de gás carbônico. Nesse caso, os gestores podem investir em veículos elétricos ou que utilizam fontes de energia renováveis, por exemplo.

2|   LOGÍSTICA REVERSA

Ela também faz parte das operações de green warehouse. Até pouco tempo atrás, as companhias apenas se encarregavam de produzir suas mercadorias e entregá-las aos clientes. Não havia qualquer preocupação com o descarte dos materiais no meio ambiente.

Com uma pressão da população, organizações não-governamentais e a aprovação de leis para implantar a logística reversa, as empresas precisam se preocupar com a operação completa.

A logística reversa envolve o planejamento e controle do fluxo da cadeia produtiva do início ao fim. As companhias passam a criar mecanismos para receber os bens de volta após o consumo.

3|   ARMAZÉNS PREPARADOS PARA O RETORNO DE CARGAS

As lâmpadas fluorescentes utilizam um líquido altamente tóxico para as pessoas e o meio ambiente. Por isso, quem fabrica ou distribui esse tipo de produto precisa estabelecer meios adequados para recebê-los após o uso e dar um destino correto. O mesmo processo deve ocorrer com medicamentos, eletroeletrônicos e óleos lubrificantes.

Nesse caso, os estabelecimentos que vendem as mercadorias precisam receber os materiais e encaminhá-los para os fabricantes. Esses, por sua vez, devem preparar os armazéns para receber as lâmpadas e armazená-las sem que quebrem. Outra opção é encaminhar para empresas especializadas em descontaminação desses itens, fazendo o isolamento do mercúrio.

4|   BIG DATA

As tecnologias utilizadas nos centros de distribuição também vão possibilitar a coleta de um grande volume de dados (big data). Com isso, caberá aos gestores analisá-los para que possam obter insights para direcionar os negócios da maneira mais adequada.

Por exemplo: de acordo com o perfil de compra de um cliente será possível gerar cupons de desconto ou oferecer produtos que o interessam. Os dados também possibilitam a identificação de comportamentos fraudulentos antes que eles possam gerar prejuízos para a companhia. Dessa maneira, o big data auxiliará o gestor a tomar decisões mais inteligentes (Link ID#101)em seus processos e cadeias produtivas, identificando quais são os itens de maior interesse dos clientes para aumentar sua produção e garantir as entregas dentro do prazo.

5|   BUSINESS INTELLIGENCE (BI)

Muitos softwares de logística já permitem que o gestor utilize os dados com inteligência para o negócio (BI). Eles podem ser coletados e gerenciados dentro do sistema para identificar se a cadeia de supply chain está com alto ou baixo custo.

O BI auxilia o gestor a verificar os pontos de falha da operação, acompanhar a produtividade da equipe e criar um programa de produção dinâmico. Dessa maneira, os itens serão produzidos em tempo real, de acordo com a demanda, e as mercadorias nunca ficarão obsoletas.

6|   INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

A inteligência artificial (IA) (link ID#99) vai facilitar a identificação das máquinas que apresentam problemas e precisam de manutenções. Ela também favorece a organização das mercadorias e análise dos itens que estão perto do prazo de vencimento.

A IA também vai auxiliar o gestor a prever a sazonalidade dos itens vendidos e assim, adequar a quantidade necessária nos estoques para evitar perdas. O armazém do futuro terá um movimento mais dinâmico e preocupado com o destino das mercadorias, e não no acúmulo de itens.

A inteligência artificial ((link ID#100) auxiliará o gestor a compreender o nível de consumo dos clientes para disponibilizar as mercadorias próximas a eles. Isso garantirá uma entrega mais rápida e uma melhor experiência do consumidor.

7|   TECNOLOGIA 3D

O armazém do futuro estará localizado em centros urbanos. A tecnologia de impressão 3D permitirá a customização das mercadorias e a confecção dos produtos conforme eles são solicitados pelos clientes.

A impressão 3D, então, se encarregará de imprimir as mercadorias de acordo com a demanda. Em seguida, os itens serão empacotados e distribuídos. A grande diferença é que esse modelo de armazém utiliza um espaço reduzido e tem como foco a entrega no mesmo dia. Dessa maneira, haverá mais agilidade na produção e entrega, redução de estoques e diminuição de perdas no armazém.

Como você pode perceber, a tecnologia estará muito presente no armazém do futuro. Ela será essencial para controlar melhor os centros de distribuição e garantir a competitividade da empresa. Quer se aprofundar mais no assunto? Entenda como softwares inteligentes podem ajudar a companhia a crescer!

> Deixe seu comentário

Entre em contato
+55 47 3036 7800 (SC)
+55 11 3027 4197 (SP)
+56 2 2840 5916 (CHILE)
otimis@otimis.com

Newsletter

Gostaria de receber nossas novidades no seu email?