Impacto do COVID-19 nas Cadeias de suprimentos da América Latina, Asia e África

É um eufemismo dizer que a pandemia do COVID-19 alterou radicalmente a forma como fazemos negócios. Em todo o mundo, os hábitos de compra do consumidor e os métodos operacionais de negócios mudaram para priorizar a segurança e os bens essenciais, e a indústria da cadeia de suprimentos global se ajustou para atender a essas necessidades.

Pandemias e epidemias não são um fenômeno novo. Nas últimas décadas, surtos de SARS, H1N1, Zika e Ebola causaram grandes interrupções na vida cotidiana em todo o mundo. Agora, muitas equipes de gerenciamento de inventário e da cadeia de suprimentos estão percebendo que não estão adequadamente equipadas com os recursos e a infraestrutura certos para responder a uma pandemia global de maneira significativa. Para garantir que as pessoas tenham acesso aos bens essenciais de que precisam para passar por uma crise, empresas e governos estão repensando suas operações da cadeia de suprimentos, a fim de torná-las mais robustas e resilientes, minimizando os riscos para seus trabalhadores, cidadãos e clientes .

Recentemente, nossos CEOs da Europa e da América do Norte também falaram a respeito dos impactos logísticos do coronavírus na cadeia de suprimentos. Neste segmento de nossa série, abordaremos como as cadeias de suprimentos globais de empresas multinacionais da América Latina, África e Ásia estão respondendo aos desafios do COVID-19.


# Efeitos Globais da Pandemia
Em todo o mundo, as respostas à pandemia variaram. O Brasil, por exemplo, impôs um desligamento de duas semanas em todo o país em todos os serviços não essenciais, a fim de conter a propagação do COVID-19. [1] A economia parou, levando o governo a aliviar algumas restrições e reabrir as fábricas com algumas restrições do número de funcionários. À medida que as regras da quarentena foram diminuindo, algumas lojas foram reabertas com horas reduzidas, [2] embora o país tenha sido identificado como um potencial novo ponto de acesso para o vírus. [3]

A África do Sul é um dos países mais atingidos no continente africano e decretou um fechamento rígido quase tão agressivo quanto o da China, permitindo que os cidadãos deixem suas casas apenas para comprar mantimentos. A polícia e o exército foram até chamados para restringir o movimento em todo o país. [4] A Austrália também impôs um desligamento forçado, exceto por serviços essenciais. [5]Na Ásia, a resposta geralmente tem sido impor fechamentos ceveros também.

No entanto, as diversas respostas e paralisações levaram diferentes países a estarem em diferentes estados de prontidão para retomar as operações normais. A China, por exemplo, fechou cedo, enquanto partes do sudeste da Ásia permaneceram abertas. Quando a China começou a diminuir as restrições, os países do sudeste da Ásia entraram em um rígido fechamento do comércio. O resultado não poderia ser outro - outra vulnerabilidade da cadeia de suprimentos global interconectada que foi exposta pela pandemia.



# As mudanças duradouras da pandemia no gerenciamento e tecnologia da cadeia de suprimentos
Embora as empresas tenham alterado as operações para atender às necessidades dos consumidores no curto prazo, acreditamos que há algumas mudanças que permanecerão em vigor, mesmo após a recuperação da pandemia.

Ficar sem papel provavelmente se tornará uma prioridade. À medida que formulários e documentos são transferidos entre escritórios e armazéns, várias pessoas entram em contato com os documentos em cada viagem. Como as operações em papel criam preocupações de segurança, a primeira resposta foi imprimir várias cópias de formulários para limitar os pontos de contato. Por exemplo, se um documento precisasse passar por seis pessoas, seis cópias seriam impressas. No entanto, imprimir seis vezes o volume usual rapidamente se torna caro e ineficiente. Ficar sem papel apresenta uma alternativa eficiente que minimiza as chances que podem expor os funcionários ao vírus.

Além disso, países e empresas podem considerar níveis mais altos de recursos de estocagem para serem auto-suficientes em caso de outra crise. Mesmo os mercados regionais dependem frequentemente do comércio global, o que gerou a preocupação de saber se certos bens essenciais podem precisar ser abastecidos em países individuais, em vez de terceirizados no exterior. Isso se tornou especialmente evidente quando as paralisações na China levaram à escassez global de equipamentos de proteção individual. [6]

Em relação ao gerenciamento da cadeia de suprimentos, isso poderia se estender facilmente aos fones de ouvido com tecnologia de picking por voz, que se tornaram outro ponto de preocupação. No mínimo, os fones de ouvido de espuma e os protetores de microfone precisam ser substituídos e os fones de ouvido desinfetados entre os usos, mas, para as equipes de gerenciamento de armazém, isso levanta a questão de investir em equipamentos adicionais para que a equipe de base tenha seu próprio equipamento (fones de ouvido) e trabalhadores temporários.

A indústria da cadeia de suprimentos depende fortemente de agências temporárias para contratar trabalhadores quando a demanda atinge o pico. No entanto, considerando que o número de pessoas que trabalham em mais de um emprego aumentou nos últimos anos, há um risco maior de exposição ao vírus entre os trabalhadores sazonais do armazém. Em vez de aceitar esses riscos, os gerentes da cadeia de suprimentos podem decidir incorporar mais robôs móveis autônomos (AMRs) nas operações diárias. Os AMRs podem trabalhar mais horas e, por permanecerem isolados em armazéns, não correm o mesmo risco de exposição que os trabalhadores humanos.



# Encontrando as boas notícias: Soluções 3PL e Mais para a sua operação
Mas nem tudo são más notícias. Existem várias soluções de curto prazo que têm o potencial de fornecer benefícios significativos durante esse período desafiador.

Uma delas é a ascenção do trabalho remoto. Embora seja mais comum e aceita nos EUA e no Canadá, a prática é mal vista em muitas partes do mundo, onde espera-se que os trabalhadores venham ao escritório, não importa o que aconteça (exceto durante uma pandemia). Empregadores nessas regiões estão descobrindo que o trabalho remoto pode funcionar. Eles também estão aprendendo que as reuniões remotas e por vídeo têm o potencial de reduzir os custos de espaço de escritório, instalações, custos de viagem, assim como o tempo necessário para reuniões, conferências e visitas a clientes. Isso também cria inúmeras oportunidades para aumentar o acesso a determinados empregos e posições para trabalhadores remotos, mantendo a segurança do trabalhador, mesmo após o término dos esforços de recuperação da pandemia.

Outra área em que esperamos ver mudanças duradouras é com fornecedores de logística de terceiros (3PL). As soluções 3PL para operadores logísticos geralmente têm se saído bem durante a atual pandemia, especialmente aquelas que atendem a clientes do comércio eletrônico, da indústria de alimentos e da cadeia de frio



# A Solução Resiliente para a cadeia de suprimentos
A pandemia mostrou que é mais importante do que nunca ter uma cadeia de suprimentos robusta e flexível para atender às necessidades dos consumidores - tanto na vida cotidiana quanto em situações de crise.

As iniciativas da Körber foram projetadas para ajudar as empresas à encontrar as soluções para seus problemas na cadeia de suprimentos. Temos o maior leque de soluções de design, automação e consultoria de armazéns. Oferecemos software para diferentes áreas da cadeia de suprimentos, para atender as diversas complexidades das operações, além de robótica - incluindo soluções de paletização e picking. Usando nossa vasta gama de tecnologia e conhecimento, podemos ajudar a oferecer as melhores soluções para as necessidades de nossos clientes.

 

 

> Deixe seu comentário

Entre em contato
+55 47 3036 7800 (SC)
+55 11 3027 4197 (SP)
+56 2 2840 5916 (CHILE)
otimis@otimis.com

Newsletter

Gostaria de receber nossas novidades no seu email?